Paulada Social – Temos amigos dentro de nós.

Há um tempo fiz um post em meu blog, que se referia a neurônios espelho, e achei bacana fazer um remake desse assunto com um toque de humor.

De qualquer forma se tu não sabes o que é um neurônio espelho, posso garantir que sobreviver a esse caos terráqueo, é conseqüência da presença de neurônio, inclusive espelhos.

O ser humano fora de sua estrutura física, nada mais é, que uma soma de heranças impostas, que formam as tribos de convívio. Sendo a soma de atitudes impostas por seus respectivos entes, permeamos em nossas tribos de modo a atribuir essas heranças “ou não”. Sendo assim, os neurônios espelhos são nossos amigos! São eles os responsáveis por não sermos o Jim Carrey em o Debi e Lóide (mas faz você querer o dinheiro dele).

Podemos dizer que induzimos a nossa cabeça a fazer tudo que ela faz e com uma ajudinha de hormônios (ou falta deles) adestramos nossos sentidos a receber um estímulo e para não ser excluído da sociedade respondemos de acordo.

Em geral, vemos crianças de 3 ou 4 anos brincando com cavalinho de pau, correndo com suas tico-tico, jogando pião-de-mão, guerrinha de barro com seus pais, certo? Errado! As crianças a cada dia querem consumir mais tecnologias isso dar-se pela soma das atitudes vividas por seu grupo de convívio, que em sua formação de personalidade, multiplicam os fatos. Isso gera uma necessidade de equiparação com os seres que são seus espelhos. Resultado: temos crianças que querem brincar com o iphone dos pais, sabem desligar e ligar uma televisão, trocam uma bolinha de gude por um vídeo game de alta geração e por ai vai.

Imaginando que nossos neurônios são estimulados a vida inteira, então isso significa que se eu ficar doidão correndo pelado o dia inteiro atrás da minha namorada ela vai ficar da mesma forma que eu? Se vocês não tiverem que fazer mais nada da vida, provavelmente sim! Mas como o ser humano tem necessidade de convívio com seres, somos impactados por milhões de estímulos diariamente, porém somos capazes de processar menos de ¼. Isso diminui a libido (até de uma forma não saudável), levamos para casa hábitos do colega de trabalho e dentro de casa passamos a agir diferente. De um modo geral, fazemos isso todo o tempo e o tempo todo (só para enfatizar). Portanto, adestrar nossos sentimentos ainda é uma boa saída para uma boa relação dentro e fora de casa. Mas e você, como anda absorvendo as atitudes alheias? Faz algo para influenciar de uma forma positiva seu grupo de convívio? Bom começa agora e solte sua paulada, comente esse post e comece uma troca de conhecimentos sobre o assunto.

Comentários com Facebook

comentários com facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *