Super 8

 

Uau! É o que posso falar e manter o minimo de pose por aqui. Quem diria que Super 8 impressionaria tanto assim? Difícil vai ser falar pouco deste filme, uma obra de arte? Veja bem…
Super 8 é escrito e dirigido por J.J Abrams, um dos diretores que vem me impressionando exponencialmente, e como imaginei não deixaria a desejar em um filme como Super 8. Lembro-me bem que a  impressão que tive ao ver o primeiro trailer foi de que este seria fantástico. Quando vi os nomes J.J Abrams e Steven Spielberg, e que estes encabeçariam o projeto tive certeza, e ao assistir comprovei-a.

A história é um escopo bem comum saudosista e dotado de uma complexidade narrativa que permite explorar muito mais do que apenas o plano de fundo “algo estranho está acontecendo com a cidade”.
Neste filme, cotidiano, romance, família, humor e ação são trabalhados de forma impressionante. Não há como não se apaixonar pela interpretação de zumbi  de Alice, (Elle Fanning). Morrer de rir com o desespero de Charles (Riley Griffiths) o cineasta mirim, ou mesmo não se compadecer com a inocência sofrida de Joe Lamb, (Joel Courtney) protagonista do filme.

De tão primoroso que o trabalho com o elenco foi, fica difícil falar do resto do filme e não abarrotar de texto este blog. Mas posso dizer que interpretações impressionantes saem destas crianças inspiradas sem contar os outros bons atores do filme. A produção é uma clara reverência ao cinema. Tudo rola em torno de um filme caseiro de Charles sobre zumbis. Tudo muda quando o filme caseiro ganha uma “Production Value¹” das melhores e transforma as poucas cenas em um interessante thriller de romance Noir com production values militares e de destruição da melhor qualidade. atenção aos créditos do filme quando forem as salas de cinema.

Com um humor leve e muito bem trabalhado as respirações no filme ajudam e muito, pois as cenas de catástrofes e o áudio arrancam suspiros da plateia, deve até ter machucado alguém. E olha que minha sala estava vazia. Tudo muito bem orquestrado este filme impressiona mais pelos enlaces cotidianos e dramas pessoais do que pelo que realmente vem falar, alienígenas.

 

Depois de impressionar-se com toda a trama do filme, lembramos que um trem foi descarrilado propositalmente, crianças que não sabem de nada viram tudo e que uma pequenina cidade esta sendo virada de cabeça para baixo porque o trem carregava uma carga de cubos mágicos alienigenas e alguma coisa bem grande e forte em um vagão especial.
Nada faz sentido fora do seu tempo, o mistério te gruda na poltrona e bota a cabeça para funcionar. Característica que acrescenta uma dimensão investigativa muito interessante, pois alguma coisa está tocando o terror na pacata cidadezinha, algo que só vemos de relance, através de poças de agua e ou desfoques.

Tudo correria muito bem se não fossem alguns pouquíssimos detalhes que não contribuem tanto quanto os anteriormente citados.
Já muito próximo do final algumas situações dramáticas soam forçadas e parte da trama que deixava o tom de mistério no ar é quase que totalmente cortada. É então presenciamos algo grandioso, ao melhor estilo Spielberg com trilha sonora poderosa, planos americanos² e closes característicos dos seus filmes como De Volta para o Futuro e Os Gonnies, que ele produziu por exemplo. E detalhe para este ultimo, o grupo de jovens de Super 8 lembram bastante Os Gonnies. Me pego falando bem novamente do filme, mas este tom tão grandioso e épico descaracteriza bastante do inicio e desenvolver do filme, o que não fica ruim, mas não harmoniza tão bem também.

De qualquer forma, a produção é obrigatória para um cinéfilo. Quando o cinema fala dele mesmo com tanto respeito e carinho é digno de nota, ainda mais quando este consegue impressionar entusiastas dos mais variados gostos, desde sedentos por destruição e ação até bons apreciadores de um drama cotidiano. Agradando publico e crítica, temos um filme que não fará o barulho que uma produção como Transformers fez, Mas melhor do que fazer um barulho alto e curto é fazer um não tão alto e muito longo.
Um filme para entrar na lista das grandes produções do cinema mundial? Eu aposto que sim.

Production value¹ – Em cinema algum evento ou situação que pode contribuir para melhorar a qualidade de uma cena do filme que deve ser aproveitada imediatamente pela equipe de produção e diretor.
 
Plano Americano² – É um plano de filmagem que pega os atores da altura da metade das coxas até a cabeça, o nome é dado pois este tipo de filmagem surgiu nos EUA em produções de bang bang, onde mostrar a arma do ator e seu rosto era fundamental.

Alexandre Prados

Comentários com Facebook

comentários com facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *