Reféns

Uma família rica vacila na privacidade e ganha uma invasão domiciliar seguida de agressões, ameaças, e… Bom, mais e mais ameaças até a hora em que os ladrões cansados de ameaças, começam a se matar.

Não parece muito plausível, mas para deixar claro, trata-se de uma trama muito simples e batida, onde novamente exposta nas telonas, não traz nada muito mais inovador do que Nicole Kidman e Nicholas Cage trabalhando juntos.

Kille Miller (Cage) é um negociador do alto mercado de pedras preciosas, um vendedor nato, característica usada como álibi no filme para justificar as atitudes temerárias do personagem contra os seqüestradores. Sua esposa Sarah (Kidman) é uma mulher madura e sexy louca para conquistar o maridão que só pensa em trabalhar, e por fim a filha Avery (Liana Liberato) girls Just wanna have fun que desobedece aos pais para ir a festas de outros jovens parecidos. Mas tudo vira um inferno quando umas trupes de ladrões trapalhões invadem a casa com o plano mais furado do século, entram, rendem todos, e começa o show de horrores.

Ao mesmo tempo em que quer salvar sua esposa, Kille consegue colocá-la em mais risco a cada segundo. Basta uma brecha dos ladrões que o personagem lança dilemas que encrencam os pobres processadores dos marginais. No filme é claro que estas pessoas são amadoras, e apenas um deles realmente sabe o que está fazendo. Estes são os momentos mais firmes em termos de trama, e ainda assim são fracos e revelam inúmeras cenas onde as ocorrências atendem a situações dramáticas, ou seja uma garota consegue despistar dois adultos em plena forma física e brigar com eles, porque a situação dramática pede.

Não acho um erro alimentar estes pontos dramáticos, mas fazê-los sem preocupação nenhuma com a coerência é no mínimo doloroso, o filme perde credibilidade, e é então que o pouco coerente e agradável do filme começa a ser afetado pelas partes ruins.

Aquela velha história da maçã podre.

Reféns é mais uma das tentativas de Cage para ganhar sua imparidade no meio, eu torço muito, pois sei o potencial que tem. Mas ele tem que perder um pouco esta cara de Nicholas Cage estampada em todos os seus personagens.

Alexandre Prados

Comentários com Facebook

comentários com facebook

3 thoughts on “Reféns

  1. Parece bom,sempre gosto dos filmes que a Nicole faz 🙂 Quem sabe em dezembro eu pego la na Paradiso pra ver hehehe

  2. haha já viu filme do Cage com trama complicada rsrs (salve pequenas excessões), mas num perco um filme dele rsrs… O problema do Cage é que se eu chamar ele pra filmar um curta ele aceita mano… aceita, olha o matt damon, ele escolheu bem os filmes que fez… por isso não faz galhofa hoje… até semana que vem Alê…

  3. Vc está no caminho certo Vivi, é um filme para se ver em ksa, e quanto a carreira do Cage, o Brad Pitt passou por um momento parecido, bastou contratar uma boa produtora para cuidar do seu nome, é exatamente o que ele precisa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *