Cinema – Red Aposentados, perigosos e exagerados.

Vamos falar um pouco da minha mais recente atividade cinematográfica, a contemplação do longa RED aposentados e perigosos, adaptação cinematográfica da revista em quadrinhos homônima de Warren Ellis e Cully onde um agente da CIA vive tranquilamente sua aposentadoria, até sofrer uma tentativa de assassinato digna de um verdadeiro blitzkrieg!

É então que ele reencontra a muitos outros parceiros da sua época de agente para solucionar esta série de ataques a pobres velhinhos de alta periculosidade, sem contar que o protagonista Frank Moses esta com uma quedinha por uma atendente de uma espécie de INSS que merece um destaque em um filme com esta temática, pois ela é extremamente ligada a livros de romance a lá 007, e leva uma vida extremamente monótona. Quando ela se depara com Frank Moses, Willis, a principio só quer que as coisas acabem logo, mas em muitíssimo pouco tempo está se sentindo dentro de um romance com seu próprio agente secreto, um pouco mais parrudo, apaixonado e violento que o senhor Bond.

É então que a seqüência de eventos, encontros, e conflitos tomam proporções incríveis, beirando a loucura, como por exemplo que em uma das cenas em que o ex-agente Frank Moses consegue se infiltrar no prédio da CIA e roubar um arquivo de uma sala mais secreta que as salas secretas. Então depois da missão cumprida, ele avista um dos agentes que está atrás dele, William Cooper (Karl Urban) em sua sala de escritório feliz e cuidando de seus negócios, é então que ele manda a sua paquera esperar por ele, que entusiasmada com tudo acata sua ordem com prontidão. Ele entra na sala do agente e começa um quebra pau de colocar inveja nos grandes filmes de pancadaria, tão bom o “pega pra capá” que o telespectador chega a sentir a dor dos sopapos também!

Como explicar esta atitude? Um ex-agente que também age por impulso e não tem medo de colocar tudo a perder?

Ou um agente que sabia exatamente o que estava fazendo?

Independente do motivo, ambas dialogam totalmente com a proposta do filme, uma adaptação de quadrinhos, que graças aos bons homens da indústria cinematográfica não tentaram levar a história para tempos atuais e nem para o que em suas cabeças eles acham que seria plausível.

Simplesmente transformaram três edições de um quadrinho com 66 páginas em um filme, o que acarretou em muitas modificações na história original, onde eu que também já li o quadrinho e portanto posso dizer, não interferem em nada, e muito pelo contrário, só acrescentam para uma obra onde ir de um quadrinho ao outro pode representar uma passagem de semana.

A trama e seus ganchos beiram ao fiasco uma pancada de vezes, mas como ficou claro antes, tudo faz parte do universo da história que é rápido, explosivo e alucinante. Sem muitas explicações e justificativas, apenas é e pronto, isso é evidente. Ainda assim existe um aspecto que deixou a desejar, e que também não é tão presente no quadrinho. O humor. Algumas vezes as tentativas de causar risos no telespectador deixam a desejar, com prolongados momentos de pausa. O personagem Marvin Boggs interpretado por John Malkovich é uma espécie de homem bitolado obcecado pela sua segurança e absurdamente desconfiado, por vezes utiliza a gague para causar risos, mas mesmo assim temos momentos de retardo evidentes nos telespectadores.

Um destaque na trilha sonora do filme, em alguns momentos pode parecer repetitiva, mas a é interessante o modo em que músicas de ação intensa se misturam e trocam de lado repentinamente com músicas divertidas e alegres, as típicas musicas de boa vizinhança dão o tom para o enredo.

E claro não podemos deixar de ressaltar o incrível elenco com o qual os produtores puderam bradar de orgulho ao conseguir juntar, entre muitos bons atores temos os conhecidos Morgan Freeman, John Malkovich, Bruce Willis, William Cooper, Mary louise Parker, Chris Owens e Rebecca Pidgeon. Uau, para uma adaptação de quadrinhos, que fala com um público extremamente exclusivo, que também é fiel ao tom das HQ’s este é um elenco invejável. Por fim uma ótima experiência para você que gosta de uma história diferente, cenas alucinantes e um humor sóbrio.

Alexandre Prado.

Comentários com Facebook

comentários com facebook

5 thoughts on “Cinema – Red Aposentados, perigosos e exagerados.

  1. Muito boa essa crítica. Fiquei até com vontade de ver o filme.

    Abraços

  2. Eu vou assistir e dar minha opinião ok?

    Mas parabéns pela postagem, vida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *